quarta-feira, 14 de março de 2007

O ANJO AJUDANTE DE DEUS


Foto numa praça de Sobral
Barbarah no meu colo, Déborah e Suelane.

Esta crônica que segue foi escrita num momento de inspiração Divina, era como se Deus quizese me enviar respostas para as minhas inúmeras perguntas. Não consigo ler sem me emocionar.



07/11/2002

Deus lê uma relação de nomes num grande livro que o seu anjo ajudante segura. Ele faz a distribuição dos anjos que irá enviar à terra. A cada nome que cita explica aos pequenos anjos a sua função na terra.
Depois de uma hora de trabalho chama um pequeno anjo de cabelos dourados que observava tudo em silêncio.
- Encontrei uma pessoa a quem posso confiar você. Leve a ele minhas mensagens para que escreva a todos os outros que enviei, e, ou ainda enviarei meus pequenos anjos especiais, para que eles reconheçam o quanto são privilegiados por serem os escolhidos para tal missão.
Nesta hora o pequeno anjo ajudante fica confuso.
- Senhor, como isso será possível se ele não fala ?
- Ele fará do meu escolhido um poeta e através de seu silêncio, sua alma falará ao seu coração e ele, em suas inspirações, ouvirá minhas palavras e pensará que está ouvindo os pensamentos dela.
- Não seria mais fácil dar voz ao anjo, assim sua mensagem chegaria mais cedo ?
- Já fiz isso com alguns, mais poucos deram ouvidos. E demoraria muito para que ele (o anjo) falasse e quando isso acontecesse, poucos iriam dar-lhe ouvido. Assim, falarei diretamente a ele através de cada olhar, de cada sorriso ele irá perceber minha presença em todos os gestos do meu anjo especial.
- Diga-me, por que o escolheu, se sabe o quanto quer um filho para chamá-lo de papai? O quanto já o imagina correndo para os seus braços? Não irá ele desistir da missão, pois poderá se decepcionar e até duvidar da existência do Senhor?
- No começo irá questionar minha existência, sim. Pensará que o esqueci, mas com o tempo perceberá o quanto confiei nele, e que estou sempre ao seu lado. Jamais irá desistir de sua missão, pois eu darei a ele esperanças de um dia ouvi-la chamar de papai, e neste sonho cumprirá com mais dedicação e mais amor. Suas mensagens a cada dia tornar-se-ão mais belas, pois quero que faça com que as pessoas lembrem dos meus pequenos anjinhos, muitos deles aprisionados pelo preconceito.
- Quando será o dia em que ele ouvirá a voz do seu pequeno anjo?
- Ele saberá. Enquanto isso, continuarei falando ao seu coração. Farei mostrar a todos que é feliz. Muitos não acreditarão nele e alguns acharão que tenta se promover, mas ele vencerá todos os paradigmas, quebrando o preconceito que já conseguiu calar outros pais. Quando ele mais precisar de mm, eu lhe enviarei o meu melhor ajudante. Você.
O anjo sorriu, agradecido.
Quatro anos depois, Deus senta o seu pequeno ajudante no colo e lhe delega a sua missão tão esperada.
- Chegou o dia. Ele está precisando de nós. O nosso escolhido há meses, em suas orações, me pede para que fortaleça sua fé. Está um pouco cansado, mesmo assim, em nenhum momento reclama de sua missão. A sua futura mãe já o espera em seu ventre, vá logo. Você deverá proteger os três, deixe que eu me preocuparei com vocês quatro.
O anjo olhou a data de sua apresentação e Deus sorriu.
- Estamos atrasados, você só tem oito meses para nascer. Quando aprender a falar, seja tagarela, fale por vocês duas, ele está precisando muito deste carinho. Ame-o muito, pois em nenhum momento o amor dele por você será maior ou menor do amor que sente por sua futura irmã. Sua presença irá levar a ele a certeza de que eu nunca o abandonei. Essa mensagem ele fará chegar as várias pessoas, pois através do Meu Silêncio, farei que seja ouvido.
O anjo abraçou-se com Deus na sua despedida e Ele lhe agradeceu por ter sido, durante muito tempo, o seu ajudante.
E quando o seu anjinho partia com destino à terra, Deus soprou em seus ouvidos : “Não esqueça de falar ao meu anjo especial que eu o amo. Seja para Déborah o que a luz é para a flor. Eu te abençôo, pequena Barbarah.”

E no dia 05 de abril de 1997, quase um mês antes de completar os nove meses de gestação, Suelane deu a luz a um pequeno raio de sol a quem passamos a chamá-la de Barbarah.


Somente os que foram escolhidos por Deus para serem o protetor de seus pequenos anjos especiais e todos os outros que vieram para ser seu anjo ajudante, irão acreditar nesta pequena historinha que, às vezes, penso ser fruto de minha imaginação. No entanto, toda vez que leio, sinto como se não o tivesse escrito, é como se eu apenas transcrevesse a mensagem de um anjinho silencioso enviado a mim há oito anos, e que eu o chamei de Déborah.
Nesta quinta-feira, quando deixei esta crônica no jornal, Barbarah, o meu pequeno Anjo ajudante acabava de ser operada da garganta no hospital da Unimed. Ela no dia anterior, quando conversávamos sobre a operação, na sua inocência de criança me confortava: “Paínho, quando eu chegar do hospital eu vou gritar: papai, viu.” – parecia até que lia também os meus pensamentos.


Transc. Do livro “O Diário de Déborah “– Autor Vaumirtes Freire –

Um comentário:

Patrícia disse...

as vezes leio seus poemas,se posso assim chamar seus desabafos,e sempre fico emocionada,tenho uma filha com deficiencia auditiva e em muitas das suas palavras vejo meus anseios e medos,duvidas eate entendimento ,com certeza vc é um escolhido por deus,como as vezes eu tambem me acho,so que as vezes fico em duvida se eu correspondo a essa escolha, é muito dificil.abraços ,Patricia mello