sexta-feira, 5 de setembro de 2008

video

Debinha adora passear de carro por Sobral e todos os dias nós serpenteamos pelas as ruas da Princesa do Norte a contemplar os casarões centenários desta linda cidade tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional.

Sempre ao meu lado Debinha vai deleitando com o olhar a paisagem que se dissorve ao passarmos. Em seu silêncio ela observa tudo, mas uma coisa é certa, ela olha mais pra mim doque para o mundo que passa lá fora.

E ali me observando em silêncio chego a pensar que ela consegue ler meus pensmentos.



Digo sempre que se não existisse abraço, Debinha teria inventado, pois é o que mais adora fazer. Abraça-me a todo instante, parece até que tem um imã nela ( O amor, claro) que nos gruda sempre que nos vemos.
Pode esta fazendo qualquer coisa, até mesmo tomando seu leitinho, ela deixa de lado e lá vem, caminhando de joelho para me dar um abraço, isso quando não saio voando até ela, pois basta só um olhar em silêncio para eu ir ao seu encontro, caso conntrário quem vem é ela batendo as asinhas...Parece até um pequeno anjo em oração.

Faço de minhas pernas as suas pernas e saimos os dois abraçados a passear. Déborah feliz agarra-se em mim e parece ser minhas asas, então voamos.. . è como se o beija-flor voasse com a flor...
É impossível existir tanto amor e tanta felicidade, no entanto existe. ..e o que eu posso querer mais?
Quem sabe ouví-la chamar-me de papai, nem que fosse apenas uma única vez? Meu Deus, é querer de mais?

A resposta veio com a Barbarah.
Sapeca, tagarela e se adora também pegar carona nas asas deste seu beija-flor.
Barbinha é o nosso raio de luz. Um pequeno anjo enviado por Deus para nos ajudar a cuidar de sua irmãzinha.
" As vezes penso que a tagarelice de Babu é para compensar o silêncio da Déborah, por isso adoro os seus porquês, suas dúvidas e sua histórias inéditas que me conta, mostrando uma grande imaginação."
" Paínho, sabe porque Debinha não fala? E porque ela é um anjo especial, painho."
Realmente Barbarah tem razão. Deborah nos fala através do coração em seu silêncio, pois nunca me disse que me amava e até hoje não encontrei quem me amassem tanto...ame-me mais doque eu a mim mesmo.

A VOZ DA DÉBORAH


Déborah está a cada dia melhorando bastante a sua percepção, me surpreendendo a cada momento com atitudes que antes eram quase impossíveis de acreditar, já que, segundo alguns os médicos, o seu cerebro teve a área de entendimento bastante afetada pelas consecutivas convulsões, sendo mais de cinqüenta ao todo. E que, por não serem diagnósticadas corretamente por alguns pediatras que diziam ser aquilo apenas cólicas de recém nascidos, causaram lesões irreversíveis.


( É assim o nosso amanhecer... Me abraça e a levo para o banho. Escovo sua boquinha, lhe banho e depois de arrumada vamos com sua mãe deixar a Babu no colégio. Ela adora passear )
( ... )


Essa lesão fez com que Debinha, por muitos anos não me reconhecesse, nem sequer percebesse que eu estava ali, ao seu lado, igual um beija flor que mesmo podendo voar, tornava-se um prisioneiro de sua beleza angelical, do seu silêncio de flor. E ali, envolvido no mistério do seu olhar, eu cantava, chorava e contava-lhe meus sonhos. Pedia em minhas preces que olhasse nos olhos, mas era como se eu fosse transparente e seu olhar parecia me ultrapassar toda vez que eu bloqueava a linha do seu olhar, procurando inutilmente ser visto por ela que sequer percebia os inúmeros brinquedos que o cercava.


(...)

Quando estamos passeando a sós pelas lindas ruas de nossa querida Sobral, eu repouso o olhar no silêncio dos casarões antigos nas madrugadas dos fins de semana, então, quando menos espero, a escuto cantarolar ali ao pé do meu ouvido, pois sempre fica atrás de mim com a cabecinha deitada no meu ombro, a admirar as árvores que passa por nós em sentido contrário, balançando os galhos em adeus.



(...)

Ela é para todos nós, Suelane, Barbarah e eu, o nosso pequeno anjo que, apesar de ainda permanecer em silêncio, consegue falar conosco do seu jeitinho, cabe-nos ser tão especiais quanto ela para entendê-la melhor.
Sei que um dia ainda a ouvirei me chamar de papai, mas se isso não for possível, não importa, o importante é que eu já posso dizer que ouvi a voz da Déborah.


Fragmentos do texto A voz de Déborah
Transcrito do livro O Diário de Déborah

A LINGUAGEM DOS ANJOS


Hoje, Déborah já começa a nos entender. Vez por outra nos surpreende por compreender o que antes falávamos por falar. Ela é um pequeno anjo que Deus deu-me o privilégio de tê-lo ao meu lado, visível, mas que não posso ouvi-lo...Ainda.

21/11/2003
(Nós quatro apeertadinhos no carro rumo ao sertão)

Muitas e muitas vezes fiquei falando palavras ao vento, respondendo por Déborah as próprias perguntas que lhe fazia. Tentava, em minha imaginação, ler seus pensamentos, e ela, em sua meditação de pequeno monge em que se tornou, permanecia em seu mundo limitado, quase que intransponível, perdida em labirintos de um silêncio que ainda o aprisiona até hoje, tornando-nos, às vezes tão longe, apesar de estarmos abraçados.
( ... )
Quando precisa ouvir algo que quer que falemos por ela, faz de nossa voz a sua voz e, tão delicada como o toque do caule de uma flor no espelho d’água do lago em silêncio, ela acaricia nossos lábios com o toque mágico de suas mãozinhas de santa, então, perguntamos: “Você quer beber? “ Se a resposta for verdadeira, ela começa a sorrir e a pular de felicidade, parando só para repetir o mesmo gesto, se custarmos, no entanto, se é outra frase que quer ouvir, repete o toque em nossos lábios até acertar a tecla do comando da frase que quer dizer.

( Antes de sair para trabalhar é um grude só)
( ... )
Um dos momentos mais lindos que me emociona é quando a vejo feliz da vida, abraçando a sua irmãzinha, a Barbarah, nosso raio de luz, um anjo tagarela que Deus nos enviou para falar pelas duas, e que amamos nos impacientar com ela questionando tudo que ver. Outro momento é quando a vejo voar para os braços de sua mãe, ou procurar por ela ao ouvir sua voz, porém nada... nada é igual quando a vejo tentar tatuar seu rostinho no meu rosto com um forte abraço, como se tivesse medo que este seu beija-flor voasse para bem longe, nem sabe que eu sou muito mais dependente dela do que ela é de mim.
Déborah e Barbarah

Fragmnetos do texto A LINGUAGEM DOS ANJOS do livro O diário de Déborah